A DEGRADAÇÃO DAS MATAS CILIARES E A VEGETAÇÃO COSTEIRA

DECADES 80’s
16/07/2022
A coisificação da raça humana e o menosprezo das causas ambientais
09/08/2022

A DEGRADAÇÃO DAS MATAS CILIARES E A VEGETAÇÃO COSTEIRA

A DEGRADAÇÃO DAS MATAS CILIARES E A VEGETAÇÃO COSTEIRA

FRENTE A HIPOCRISIA DO ATUAL DESGOVERNO COM A QUADRUPLICAÇÃO DA FAVELIZAÇÃO DURANTE A CRISE.

Erosão à beira d’água no rio Pará, entre Divinópólis e Carmo do Cajuru, poucos metros àbaixo da Usina de Cajuru.
Data: 17/09/2009

 

Observemos, aquela vasta fauna que beira rios e encostas na nossa tão bem estruturada natureza, fecunda e formada por Deus, sob a divina perfeição em comparação com o atual estado considerado “modernidade e urbanização” que demonstra como o ser humano é imoral e inconsequente, principalmente quando se fala dos poderosos deste mundo.

As matas ciliares, são de suma importância para a boa estruturação urbanística a nível mundial, ao se tratar de desenvolvimento urbano, principalmente no início da formação da estrutura de uma cidade.

Por isso nós estudiosos somos categóricos em dizer que a má formação urbanística do Brasil, com certeza está se tornando irreversível e insustentável aos dias que estão por vir frente as transformações climáticas acentuadas que já estão alcançando os trópicos, região do nosso Brasil que sempre foi muito bem afortunada, que devido a fauna possui clima tropical.

O clima tropical é de constante adaptabilidade com relação a agressão humana ao planeta, porém até mesmo nossa nação que: – “bonita por natureza” já está demonstrando que somente o que Deus nos deu como benção natural, não irá nos sustentar por muito tempo diante ao que o homem gerou à casa comum, assim chegamos no ponto central do texto, as matas ciliares e a vegetação costeira.

As matas ciliares deveriam estar presentes em toda a formação urbanística brasileira.

Observa-se que hoje entende-se por áreas com matas ciliares somente as áreas de preservação permanente, de forma deveras errônea, uma vez que as matas ciliares são como os cílios ao redor dos olhos, a proteção de área frágil do corpo humano.

Logo essas áreas deveriam ser encontradas dentro dos biomas nacionais, que indiferente da região climática seja, caatinga, pampas, atlântica, amazônica ou qualquer região protegida por característica florestal ou considerada urbana.

Mais uma vez voltamos a falar sobre as catástrofes que as fortes chuvas estão gerando ao Brasil e ao mundo, devido à má estruturação ambiental e depravação governamental com relação a dignidade da pessoa humana nos tempos de crise.

Sim, é de se preocupar com o futuro das próximas gerações diante da estrutura de favelização à qual o Brasil se encontra desde de ano de 2014, onde o aumento foi fulminante no período do desgoverno que estamos vivenciando pós pandemia.

 

Total de favelas dobra no Brasil em dez anos e 20 milhões estão passando fome. (Título de notícia da Folha de São Paulo).

 

Uma das maiores razões para tamanhas áreas de assoreamento nos centros urbanos, como por exemplo o Rio Arrudas que atravessa o centro de Belo Horizonte e causa grandes inundações anualmente na época das grandes chuvas é justamente a retirada das matas ciliares beira rios para uma “pseudo urbanização” uma vez que, não podemos chamar a melhor das estruturas mundiais de estrutura dignamente urbanizada, pois algo faltará nesta estrutura.

O homem deveria hoje em pleno século XXI chegar em concordância com a realidade que nos assola, que conforto e comodidade são contrários a lei natural da sobrevivência.

É necessário caminhar, é necessário conviver socialmente, é necessário o comum da vida para se viver de forma sã, e isso tudo nos é necessário sem luxo, porque o menor sentimento de poder leva o ser humano a prejudicar aquele que mesmo que com simples palavra lhe tenha ferido o “ego”.

Logo é de fato esdrúxulo mas necessário ao ser humano observar, que a má estruturalização do caráter, se manifesta nas convivências sociais, no desenvolvimento urbano, na necessidade de SER, algo que nunca serão, SENHORES DE SÍ, pois cada vez que o ser humano tenta decidir algo quando deve agir em função do bem comum, ele tende a se fazer senhor de si mesmo, e tentar subjugar o seu próximo, atribuindo a ele e a casa comum suas próprias mazelas.

De fato, o cenário urbanístico do Brasil com certeza foi desenvolvido de forma a acomodar alguns e se livrar de outros como se em um mundo de iguais, o outro fosse um problema, o que parece muito perturbador, quando se houve que a solução é o dinheiro, ou que, dinheiro não é problema.

Quando penso nos filhos que quero ter no mundo, só consigo vislumbrar a Cristo, e mesmo diante de toda essa insanidade reconheço a verdade em todos, e assumo, ninguém como Deus, pois a humanidade está tão doente que os detalhes apontam os Juízes do mundo e os subjugados, graças à Deus neste papel preferi advogar, e em prol de quem muito devo, a nossa amada casa comum…

No Estado de São Paulo, um milhão de hectares de áreas ciliares precisam ser recuperadas e reflorestadas. Para enfrentar este desafio é necessário um esforço conjunto entre governo e sociedade que abrange uma série de atividades nas mais diversas frentes, buscando o uso sustentável dos recursos naturais. (Caderno Educação Ambiental)

Assim termino o presente artigo com uma conclusão simples e objetiva, apenas a manutenção, das matas ciliares, durante a urbanização do território nacional tornaria o Brasil e toda a casa comum habitável, mesmo em uma ordem capital, porém os poderosos viram as árvores como símbolo de dinheiro e vêm até hoje e por isso padecem os pobres, porém como gosto de lembrar, em um dado momento houve a escravatura…

…hoje quem possui melanina sobrevive melhor ao calor e futuramente sobreviverá com mais facilidade ao sol escaldante…

…durante muito tempo cultuam o dinheiro …

… muitos temem a Deus neste tempo de culto ao dinheiro … e já comecei a ver as consequências que o culto ao dinheiro tem gerado e não me arrisco a dizer o fim que gerará…

 

…O NOSSO GRITO É DE PAZ E SEGURANÇA…

 

…HUMANIZANDO-SE PARA HUMANIZAR…

 

Priscilla Ingrid Machado de Macêdo

 

Acesse os artigos Priscilla Ingrid Machado de Macêdo, através do link abaixo:

https://libertasnews.com.br/category/libertas-ambiental/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *